Visualizações de páginas da semana passada

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Sustentabilidade – Empresas Ecologicamente Corretas


Freqüentemente estamos sendo bombardeados pela mídia e por todos os meios de comunicação por palavras como meio ambiente; sustentabilidaderesponsabilidade social; ecologicamente correto; empresa sustentável e outras coisas que, para muitos de nós, ainda são de difícil assimilação e conceituação.
Dentro desta dificuldade; definir uma empresa sustentável é ainda um mistério para muitos consumidores preocupados com o tema. Afinal de contas, nem sempre são transparentes para os clientes os processos internos que transformar uma empresa comum numa empresa sustentável. O principal problema; é identificar o que vai além do marketing e da propaganda. O que realmente está sendo feito pela empresa “X” em busca da sustentabilidade e quais sinais podem significar que ela está no caminho certo.
Uma análise quatro pontos relativamente simples podem determinar se uma empresa sustentável realmente faz jus a esse título ou é apenas obra da propaganda barata e que deve ser execrada: O ponto inicial é acompanhar o noticiário sobre a empresa e perceber se há notícias de problemas financeiros ou dificuldades de caixa que a empresa venha atravessando. Se isso for uma constante em sua história; essa “empresa sustentável” pode ser sustentável só na fachada. Se nada for mencionado a esse respeito; marque o primeiro ponto para ela em seu conceito.
empresas sustentaveisO segundo ponto a se considerar é: Os produtos produzidos ou os serviços prestados por ela sãoecologicamente corretos? Mesmo que a empresa sustentável produza elementos que agridam o meio ambiente; é necessário levar-se em consideração como ela trabalha para minimizar ou eliminar os impactos provenientes de seu processo produtivo. Consulte entidades ecológicas locais e, novamente, observe o noticiário em tono da candidata a empresa sustentável. Se ela estiver constantemente envolvida em problemas relacionados a poluição do meio ambiente; risque-a do mapa. Caso contrário; ponto para ela.
Um outro ponto importantíssimo para definir uma empresa como sustentável; é saber como ela trata os seus funcionários e a comunidade onde ela esta inserida ou atua. Os passivos trabalhistas são altos e freqüentes? O pessoal trabalha em boas condições? A empresa realiza atividades ou ações ligadas ao bem estar da comunidade que a cerca? Ela se preocupa com os seus funcionários e com os seus consumidores? Novamente se a resposta for sim; a empresa é mesmo sustentável. Se não…
E, por fim, uma empresa sustentável atua num ramo de produção que é social e culturalmente aceito pelo ambiente humano em que está inserida. A ética das ações e a aceitação dos processos produtivos deve ser plena. Não é possível, por exemplo, dizer que uma empresa que atue com contrabando, por exemplo, seja uma empresa sustentável. Pois, além de moralmente questionável; sua atividade é ilegal e passível de punição.
Assim, se o resultado foi positivo para todas as perguntas e observações feitas; você pode realmente considerar essa empresa sustentável. Se um ou outro questionamento não estiver “de acordo”; é sinal de que o caminho ainda deve ser trilhado por mais um tempo e com mais afinco até que se alcance uma situação de sustentabilidade plena.

http://www.atitudessustentaveis.com.br/sustentabilidade/sustentabilidade-empresas-ecologicamente-corretas/

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

O Brasil entra na era solar

 Duas mil pessoas capacitadas para trabalhar com energia solar em uma parceria entre Eletrobrás e universidades na Bahia nos próximos anos. A Cemig anuncia início de sua primeira usina de energia solar com capacidade de 3MW em 2012. A MPX, empresa do Eike Batista, inaugura complexo solar fotovoltaico no Ceará. Segundo a imprensa, 95 empresas nacionais e internacionais atendem à chamada da Aneel para desenvolver projetos de energia solar, incluindo usinas entre 0,5MW e 3MW e pontos de medição nos próximos três anos. A Eletrosul recebe interesse de 14 empresas para sua chamada de pesquisa de painéis solares. Empresa brasileira planeja usinas solares de concentração térmica.
  
Estes são apenas alguns dos acontecimentos registrados nos últimos quatro meses na área de energia solar que podem, se trabalhados direito, colocar o país como um dos líderes no setor e desenvolver seu potencial solar que conta com seis vezes mais incidência solar que a Alemanha, líder mundial em capacidade instalada solar com cerca de 18000MW.


Leia mais:

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Confusão marca estreia de ciclofaixa em Moema, zona sul de SP

A faixa exclusiva para bicicletas em Moema, bairro nobre da zona sul de São Paulo, foi inaugurada no fim de semana em meio a confusões.
Nova ciclofaixa cria polêmica na região de Moema
Veja mapa completo das rotas de bike em SP

Trânsito pesado, falta de vagas e desencontro de informações complicaram a rotina de moradores, comerciantes e até dos ciclistas.
Um motoboy, que circulava irregularmente pela faixa, se feriu no sábado (5) ao bater na porta de um veículo que estacionava na Zona Azul.
No mesmo dia, Carol Maluf, 44, lojista e integrante da associação de moradores de Moema, parou o carro de propósito em cima da ciclovia como forma de protesto.

A polícia teve que intervir para que ela desbloqueasse a pista. A lojista crê que a faixa prejudica o comércio.
André Vicente/Folhapress
Usuários estreiam a ciclofaixa no bairro de Moema, que foi inaugurada no fim de semana
Usuários estreiam a ciclofaixa no bairro de Moema (zona sul de SP), que foi inaugurada no fim de semana

Na mesma via da loja de Carol, a av. Pavão, o estudante de engenharia ambiental Gustavo Toledo, 27, ia para a faculdade de bicicleta. "É uma facilidade. Faço tudo de 'bike' e planejo usar a faixa todos os dias", diz.
Mas estudante reclama da falta de respeito dos motoristas. "Eles circulam sem cuidado, desrespeitam o espaço e estacionam em cima da faixa", afirma.

A CET (Companhia de Engenharia de Trânsito) diz que a rede cicloviária está em fase de testes. Após 15 dias, motoristas que circularem ou bloquearem a ciclovia serão multados e perderão pontos na carteira.

domingo, 6 de novembro de 2011

Veja onde descartar objetos obsoletos, como celulares e lâmpadas


05/06/2011 - 07h00
PUBLICIDADE
ROSANA FARIA DE FREITAS
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

De um ano para o outro, o seu computador fica obsoleto. O celular passa de item cobiçado a peça pré-histórica em questão de meses. Imagine se esses produtos, e mais baterias de carro, exames de raio-X e lâmpadas fluorescentes fossem dispensados como entulho comum.

Marlene Bergamo/Folhapress
Depósito da Utep em Guarulhos (Grande SP), onde pneus são triturados e reciclados
Depósito da Utep em Guarulhos (Grande SP), onde pneus são triturados e reciclados
As baterias de carro contêm chumbo, que gera problemas ao sistema nervoso, enfraquece os ossos, causa anemia. Essas substâncias tóxicas podem se instalar em seu corpo de forma simples: uma vez despejadas no solo, têm suas matérias-primas decompostas, são ingeridas por vermes e minhocas e, em contato com o lençol freático, entram na cadeia alimentar por meio das plantas. Como você é o último componente desse ciclo, consome as substâncias absorvidas ao longo do processo.
As lâmpadas fluorescentes contêm vidro e metal, e são compostas por fósforo e mercúrio. O fósforo favorece o surgimento de câncer e provoca lesões nos rins e no fígado; o mercúrio, se inalado, pode causar dor de cabeça, febre, fraqueza muscular. A esses "poluidores" se unem outros, como computador e pneu, todos com componentes tóxicos na composição.
O Brasil é o país que mais descarta computadores pessoais per capita --0,5 kg por habitante--, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Na China é de 0,2 kg por pessoa.
O número dessas máquinas vendidas no país sobe 15% a 20% ao ano: em 2010, atingiu 13,3 milhões, de acordo com a consultoria IT Data.
No mundo todo, são geradas 40 milhões de toneladas de resíduos eletrônicos anualmente, sendo que apenas 10% passam por reciclagem de forma apropriada.
O trabalho de desmontagem e o reaproveitamento é pouco conhecido por aqui, segundo o Cedir (Centro de Descarte e Reuso de Resíduos de Informática da USP).
REAPROVEITAMENTO
Para entender a importância de dar destino certo ao velho aparelho de TV ou ao computador, é preciso se dar conta de que quase 50% dos eletroeletrônicos é composto de plástico e ferro, insumos largamente aproveitáveis. O chumbo volta à ativa como matéria-prima. O vidro das telas gera cerâmica vitrificada, empregada em pisos.
Grande parte do asfalto vem dos pneus que são dispensados adequadamente. Embora a valorização energética --em caldeiras de indústrias, por exemplo-- seja o principal destino, boa parte deles é utilizada para fazer asfalto ecológico, piso de quadras poliesportivas e artefatos de borracha, como tapetes e sapatos.
Segundo a Reciclanip, entidade responsável pela coleta de pneus e ligada à Anip (Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos), em 2010 o Brasil reciclou mais de 300 mil toneladas de pneus, equivalente a quase 62 milhões de unidades de carros.
ONDE DESCARTAR
Jogar o lixo no lugar certo ajuda a sustentabilidade do planeta porque significa economia e aproveitamento de matéria-prima. Por isso, alguns países fazem recomendações oficiais para o descarte correto do produto.
No Brasil, uma iniciativa desse tipo seria de grande valia, porque só em São Paulo o volume mensal de compra de óleo é de mais de 20 milhões de litros, segundo pesquisa da Nielsen. Aqui, algumas empresas e hospitais fazem a coleta daquilo que já não serve mais para você.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Nasa descobre rachadura em geleira e monitora formação de iceberg

Uma rachadura com até 280 m de largura e 60 m de profundidade foi identificada pela maior missão aérea de monitoramento do gelo polar, a Ice Bridge, da Nasa.
Nasa-26.out.11/France Presse
Rachadura gigante, com 280 m de largura e 60 m de profundidade, na ilha Pine, Antártida
Rachadura gigante, com 280 m de largura e 60 m de profundidade, na ilha Pine, Antártida

Cientistas da agência afirmaram ontem que a fissura se estende por 29 km na geleira da ilha Pine, na Antártida. Ela deverá dar origem a um iceberg de 880 km².
A observação da enorme rachadura foi feita em voos de investigação realizados em outubro pela equipe da Ice Bridge. Em 2001, a mesma geleira já havia dado origem a um iceberg, e muitos especialistas acreditavam que o processo pudesse se repetir. Mas, até a recente missão, não havia indicações de que isso estivesse acontecendo.
Apesar de impressionante, o fenômeno faz parte do "processo natural das geleiras", dizem os pesquisadores. "Sabemos pouco da formação desses icebergs porque não observamos com frequência esses fenômenos. É a primeira vez que sobrevoamos uma fissura tão grande. Esperamos que isso ajude a explicar como eles se formam para podermos prevê-los", afirmou
Michael Studinger, o chefe do projeto, em videoconferência com a imprensa.
Uma dos objetivos do Ice Bridge é acompanhar, sobrevoando e por satélite, as mesmas regiões de gelo. Assim, é possível acompanhar as mudanças.

http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/1001500-nasa-descobre-rachadura-em-geleira-e-monitora-formacao-de-iceberg.shtml

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Menos desperdício, mais lucratividade-Sebrae

 
Menos desperdício, mais lucratividade
Conheça o programa Sebrae 5 Menos que são Mais – Redução de Desperdício em Micro e Pequenas Empresas
A aplicação da metodologia 5 Menos que são Mais consiste na análise e diagnóstico de possíveis desperdícios, seguidos da apresentação de soluções para minimizá-los.

A primeira fase consiste na caracterização do empreendimento, avaliação dos principais processos produtivos, consumos de matérias-primas, insumos, água e energia, bem como os resíduos gerados.

Nesta fase também é aplicada a Metodologia Sebrae de Eficiência Energética, na qual é analisado o consumo elétrico, identificando-se possíveis perdas de energia e sugerindo-se correções necessárias.

Na segunda fase, as fontes de desperdício são avaliadas isoladamente dentro do processo produtivo. Para os problemas apontados na primeira fase são desenvolvidos e propostos aos empresários procedimentos que quantifiquem e, quando possível, minimizem as perdas. Ainda nesta fase o consultor ajuda o empresário a implantar e aferir o resultado das medidas propostas.

Somente no Distrito Federal, 722 empresas foram atendidas pelo programa, em mais de 56 segmentos da indústria, comércio, prestação de serviços e agroindústria. As experiências e informações resultantes da aplicação do sistema são objeto da publicação Experiência Sebrae/DF na aplicação da Metodologia Sebrae 5 Menos qe são Mais – Reducação de Desperdicio no Distritio Federal.

Conheça também os resultados do programa divididos por segmento:

Para informações detalhadas sobre o que é e como participar do programa 5 Menos que são Mais, acesse o Curso Redução de Desperdício.
Conheça ainda nossa Biblioteca que disponibliza textos, Convenções, Normas e Legislação voltadas à atuação ambiental responsável em seu setor.